Você já ouviu falar de Transtorno Afetivo Bipolar?
O ator Jim Carrey é um dos famosos que vive com TAB

Você já ouviu falar de Transtorno Afetivo Bipolar?

Compartilhe!

Publicidade

Nessa segunda edição do Opinião Pop aqui no site Aperta o TAB, vim falar sobre um assunto sério com vocês e que, por vários motivos, está ligado à cultura pop e a cultura em geral: O Transtono Afetivo Bipolar, conhecido pela sigla TAB. Você já ouviu falar dele?

Provavelmente a resposta para a pergunta acima é afirmativa, né? De várias maneiras o Transtorno Bipolar, como também é conhecido o TAB, está presente na cultura POP. No cinema ele já foi representado algumas vezes, como em As Horas (ganhador do Óscar de melhor atriz para Nicole Kidman e nomeado como Melhor Filme), Sentimentos que Curam, O Lado Bom da Vida (Ganhador do Oscar de melhor atriz para Jennifer Lawrence e nomeado como Melhor Filme), Geração Prozac e Mr. Jones. Além disso, vários artistas, atores, atrizes e pessoas ligadas à música apresentam o transtorno.

Dados apontam que o Transtorno Afetivo Bipolar está presente em mais de 6% da população do planeta e, apenas no Brasil, afeta cerca de 6 milhões de pessoas.

A doença é definida como um Transtorno Mental, afetando o comportamento e, algumas vezes, a capacidade de julgamento da pessoa que vive com essa doença. É caracterizada por dois momentos distintos: Um de euforia e grande alegria e outro de depressão e falta de energia para fazer qualquer coisa. O nome Oficial mais utilizado para esses momentos são ciclo eufórico e ciclo depressivo. Ele podem ocorrer em momentos separados que podem durar meses e, em raros casos horas ou minutos, e em raras ocasiões podem ocorrer juntos, gerando um ciclo misto.

Sei que para algumas pessoas um momento de alegria parece algo muito bom, né? E até pode ocasionar dúvidas sobre relacionar um momento de prazer com uma doença. Mas, durante os ciclos eufóricos é quando a pessoa pode apresentar maior risco para si mesma e para a sociedade em geral. O ciclo gera uma sensação de tanto prazer e alegria, que pode fazer com que a pessoa perca o controle sobre si mesma, ignorando medos (o que pode fazer com que a pessoa coloque a própria vida e bem estar físico em risco) e noções de contrato social (que pode afetar outras pessoas à sua volta). O filme Mr. Jones retrata bem esse momento logo em sua cena inicial. É um ótimo filme e recomendo que todos vejam.

Publicidade

Já o ciclo depressivo é bem parecido com outra doença. A depressão, que também precisa ser debatida e atinge cerca de 3,5% da população. A pessoa se sente fraca, sem força para fazer as coisas que ela ama e muito menos as corriqueiras. Também pode apresentar uma tristeza tão profunda a ponto de se elevarem os riscos de suicídio. Mas é curioso. A maior parte das pessoas que acabam morrendo por causa do Transtorno Bipolar são vítimas do momento de euforia, pois na depressão, na maior parte dos casos, a falta de energia que se sente é tão grande que não há nem forças para tirar a própria vida.

Ambos os ciclos afetam o sono também. No ciclo eufórico a pessoa costuma dormir pouco, com casos em que uma hora por dia parece ser o suficiente para recuperar suas energias. Porém não dá pra se enganar. A falta de sono, além de afetar a memória, também pode afetar a capacidade da pessoa tomar decisões, pois, mesmo sem sentir o cansaço, o seu cérebro pode se encontrar exausto. Já nos ciclos depressivos, o sono aumenta bastante e a pessoa pode chegar a dormir durante mais da metade do dia.

Já o ciclo misto é uma confusão geral. Imagine uma pessoa depressiva e eufórica ao mesmo tempo? Ele é bem raro, mas pode ocorrer em algumas ocasiões, e é bem difícil definir como ele é, pois não há um padrão de comportamento nesse ciclo. A pessoa pode ter alguns comportamentos do ciclo depressivo e outros do eufórico e não há uma certeza sobre quais serão esses comportamentos.

A pessoa que tem o transtorno bipolar costuma manifestar seus sintomas durante a adolescência, porém o diagnóstico leva até 13 anos para ser feito. Em média só é possível diagnosticar depois dos 25 anos, já que muitos comportamentos que podem ser sintomas do transtorno bipolar também são comuns do desenvolvimento humano. Então nada de achar que você tem essa doença só porque apresenta uns momentos de tristeza ou de felicidade, viu? Só quem pode diagnosticar um transtorno bipolar é um Psiquiatra, treinado para reconhecer tal doença.

Publicidade

Além disso, o diagnóstico é bem complicado. Não existe nenhuma ressonância ou máquina que descubra se você tem o TAB ou não. Apenas um acompanhamento médico e o resgate da sua história de vida pode ser utilizado para diagnosticá-lo e tratá-lo. Também não há nenhuma certeza sobre o porquê alguns seres humanos apresentam essa doença, porém, muito provavelmente, segundo alguns estudos, ela é hereditária, ou seja, passa de pai e mãe para filhos e filhas biológicos.

Algumas pessoas famosas que vivem com o Transtorno Bipolar

O tratamento se dá a base de remédios e de várias formas de terapia, convencional ou não. E ele é bastante diferente de pessoa para pessoa, pois toda a sua história de vida e personalidade serão importantes para o tratamento. Não existe uma cura para o TAB e o tratamento acompanha a pessoa por toda a sua vida.

Várias pessoas famosas apresentaram o Transtorno Afetivo Bipolar ao longo da história: O pintor Vincent Van Gogh, as cantora Britney Spears, Demi Lovato, Janis Joplin e Rita Lee, os cantores Axel Rose (Guns n’ Roses), Kurt Cobain (Nirvana), Cazuza e Jimmy Hendrix, os atores Jean-Claude Van Damme (O grande Dragão Branco), Richard Dreyfuss (do Tubarão), Ben Stiller, Charlie Chaplin, Jim Carrey e Robin Willians, as atrizes Cássia Kiss, Catherine Zeta-Jones, Carrie Fisher (Princesa Leia), Linda Hamilton (Sarah Connor original) e Charlize Theron (eterna Furiosa de Mad Max), os escritores Edgar Allan Poe, Agatha Christie e Mark Twain, o diretor Francis Ford Coppola (O Poderoso Chefão), entre tantos outros. São tantas pessoas da cultura pop que apresentaram o transtornos, que não caberiam em uma lista.

Alguns estudos costumam até apontar uma ligação entre criatividade e o transtorno bipolar. Não é certo que exista essa relação, porém ela é possível.

Bem, como vocês podem perceber, esse site também apresenta uma ligação com o transtorno bipolar. Na verdade ele tem uma dupla relação, tanto com a tecla TAB quanto com a sigla TAB. Nosso objetivo é trazer conteúdo de cultura pop de uma maneira diferente, falando também sobre temas mais sérios e divulgando conteúdo que auxiliem na mudança necessária do mundo, apertando um alt-TAB e mudando essa janela onde a cultura pop acaba sendo vinculada à conteúdos tóxicos, racistas, machistas, lgbtfóbicos e elitistas. Mas o TAB também tem relação com o Transtorno Afetivo Bipolar, já que eu, Rafael, o principal idealizador desse projeto, sou diagnosticado com Transtorno Bipolar há uns dois anos e utilizo a escrita, o consumo de conteúdo cultural e a produção audio-visual como uma das terapias alternativas que citei acima.

Ellen Forney compartilha suas experiências na HQ Parafusos

Se quiserem conhecer mais sobre o transtorno, gostaria de indicar a história em quadrinho Parafusos da autora Ellen Forney, também diagnosticada com o transtorno, e que decidiu levar suas experiências e conhecimentos sobre a doença para o mundo das comics. Você consegue encontrar a obra em várias lojas por aí e não é tão caro.

Publicidade

Também indico livros acadêmicos, como Da Psicose Maníaco-Depressiva ao Espectro Bipolar, de Ricardo Alberto Moreno, mas esse, como boa parte dos livros acadêmicos, acaba sendo bem caro. É possível encontrá-lo em bibliotecas de universidade, caso queira ler mais.

Mas acima de tudo, aconselho a conversarem com algum ou alguma psiquiatra, principalmente, caso esse texto tenha despertado alguma dúvida sobre você mesmo ou alguém próximo.

Até a próxima.

PS: Em breve vou fazer um conteúdo em vídeo e em áudio sobre essa questão. =)


Compartilhe!

Rafael TAB

Rafael tem 26 anos e mora no interior de São Paulo. Diagnosticado com transtorno bipolar é fissurado por cultura pop e nerd desde os 9 anos de idade quando foi apresentado ao sítio do Pica Pau Amarelo e logo depois ao fantástico mundo de Harry Potter. Hoje é um grande fã de O Senhor dos Anéis e Star Trek. Tem fascinação por áudio-visual, tecnologia e games.

Deixe uma resposta

Fechar Menu