Thanos chega chutando a porta em Vingadores: Guerra Infinita (Com Spoilers)

Thanos chega chutando a porta em Vingadores: Guerra Infinita (Com Spoilers)

Compartilhe!

Publicidade

São 10 anos de universo Marvel nos cinemas. 10 anos em que o estúdio criou sua fórmula mágica para o sucesso de filmes de heróis. Porém em Vingadores: Guerra Infinita, essa fórmula é chutada para escanteio enquanto vemos Thanos, um dos principais vilões da Casa de Ideias, chutar a porta com sua vontade.

Ainda nos créditos iniciais somos agraciados com a mudança que representaria o filme. Nada de musiquinha heroica dos vingadores. Enquanto o filme se inicia somos apresentados ao som do casos de um ataque, com muitos tiros, pessoas gritando e um áudio de pedido de socorro. Seguindo o final de Thor: Ragnarok, a nave que levava os sobreviventes de Asgard para a Terra é atacada pelo vilão do filme. De início já vemos as mortes de Heimdall e Loki, dois personagens amados pelos fãs, ao mesmo tempo em que Hulk toma uma surra épica do vilão roxo e é enviado para a Terra em um último ato heroico de Heimdall. E esteja iniciada Guerra Infinita, que mudará todo o universo (ou não) da Marvel nos cinemas.

Desenvolvimento de Personagens

Um ponto importante em qualquer filme é o desenvolvimento dos personagens. Aqui nós não vemos o desenvolvimento dos heróis, que já haviam si apresentados em histórias nos últimos 10 anos, mas podemos observar as mudanças que esses anos de história causaram em cada um. Tony Stark, apresentado como o empresário egoísta mudou e agora puxa toda a responsabilidade da proteção do nosso planeta para si (não que isso o faça ser menos odiável). O Capitão América que era um símbolo do Sonho Americano não existe mais. Ele não tem mais nação, não utiliza mais os símbolos dos Estados Unidos. Ele não sorri em nenhum momento do filme, parecendo carregar o peso das cicatrizes em suas costas. Nem mesmo o encontro com Bucky Barnes em Wakanda faz com que Steve Rogers sorria. Não há mais espaço para isso.

Entre os heróis, quem rouba a cena é o Thor. E esse apresentou a maior evolução entre todos, principalmente no que se refere à narrativa. Os dois primeiros filmes do herói eram chatos. Sua feição sisuda em Vingadores não agradava. Foi apenas em Thor: Ragnarok que fomos apresentados à uma versão do herói completamente diferente dos quadrinhos, mas que nas telas de cinema faz todo o sentido. Thor é, ao mesmo tempo, divertido e sofrido. Afinal,  o herói perdeu tudo: Sua mãe, seu pai, seu reino, seu irmão e todos os seus amigos mais próximos. Mesmo assim, ele apresenta um semblante de quem está tentando ver o lado bom em todas as coisas, mesmo quando não existe um lado bom para ser visto. Sua interação com Rocket nos blinda com isso à todo o tempo. Thor é um herói bem humorado, mas ao mesmo tempo confuso e pronto para se entregar. Seria, e é, o primeiro a arriscar sua vida em qualquer situação, já que não tem mais nada a perder.

Outro que também apresenta uma evolução gritante é o Doutor Estranho. Stephen Strange agora assume o seu posto de protetor místico da Terra e tem uma interação bastante satisfatória. Ao final do filme toma uma decisão que pode mudar a balança da Guerra no próximo filme, mesmo que ainda seja impossível imaginar como isso vai ocorrer.

Publicidade

Os outros personagens são pouco explorados, apenas dão seguimento a história e fazem, cada um deles, o seu papel no conflito da Guerra.

A imagem mostra Thanos com a manopla do infinito. Ele está com os punhos fechados.No meio de tudo isso temos Thanos. Pela segunda vez seguida a Marvel acerta na criação do seu vilão. E que vilão! Eu não consegui me afeiçoar tanto à ele quando me afeiçoei ao Killmonger. Talvez isso tenha ocorrido pelo ponto ideológico e moral no qual me encontro. Thanos tem um plano louco, mas um plano ao qual se apega. Baseado em uma ideologia da sobrevivência de todo sobre a sobrevivência de alguns, ele deseja exterminar metade do Universo para que a metade sobrevivente possa sobreviver bem com os recursos existentes.

Ao trazer isso para a Terra, é possível observar uma premissa completamente falsa em sua ideologia. Afinal, não temos uma grande escassez de recursos, mas sim uma problemática distribuição dos mesmos. Enquanto produtor destroem toneladas de laranjas no Brasil como forma de equilibrar o preço do produto, temos pessoas em outros países que poderiam se beneficiar desses recursos tão abrangentes por aqui. Mas isso é impossível em um sistema pautado pelo lucro.

Thanos não atinge o problema em sua raiz, mas busca uma solução rápida, fácil e completamente fora de qualquer moralidade a qual prezo. Tentei relacioná-lo ao Jair Bolsonaro em debates com amigos, mas fui alertado que isso também não era possível. Enquanto a ideologia de Thanos prega um genocídio pragmático baseado na aleatoriedade, na Terra real temos discursos que pregam genocídios baseados em questões de gênero, etnia, sexualidade e outras. Engraçado e assustador perceber que Thanos é menos loucos que esses mitos terráqueos reais.

Publicidade

Quanto à Thanos é interessante perceber que ele leva seu sonho acima de tudo. Nenhum dos seus atos é, para ele mesmo, baseado na pura crueldade. Inclusive quando ele agride algum dos heróis ele nunca demonstra um sentimento negativo. Ele age como se aquilo fosse algo necessário para realizar seus planos de salvação do Universo.

O Filme

Guerra Infinita é sem sombra de dúvidas o filme mais corajoso da Marvel. Não apenas por conta das mortes, mas pela apresentação do vilão e das consequências que essa guerra traz.

Os irmãos Russos conseguem ser quase cirúrgicos na montagem do filme. Tendo tantos heróis, e assombroso que a quantidade de momentos confusos seja tão pequenas. Logicamente é necessário ao menos conhecer os outros personagens da Marvel, pois não há tempo de apresentação de cada um. No máximo são feitos alguns resgates de personagens e relações durante alguns momentos, mas os principais momentos do filme se tornam vazios, caso você não tenha o repertório correto. Afinal, como se preocupar com a morte de Loki sem ter visto os filmes anteriores ou compreender a resistência de Tony Stark em ligar para Steve Rogers?

É difícil definir do que os filmes da Marvel se tratam. Não são filmes comuns, pois não começam e nem acabam em si mesmos. Não são continuações simples, já que vários são independentes. Não são séries, já que também não se enquadram nas regras que definem um show televisivo. Eu os definiria como algo novo, porém ao mesmo tempo antigo. A Marvel transfere para o cinema um universo interligado que era comum apenas em histórias em quadrinhos e cria uma linguagem completamente nova.

Homem Aranha com o traje Aranha de Ferro em posição de escalada.Conclusão

O final da obra mostra a evidência final do que é visto acima. Talvez seja um estelionato cinematográfico, como alguns disseram. Afinal mataram personagens que sabemos que não estão mortos. Homem-Aranha e Guardiões da Galáxia já tem filmes confirmados para 2019 e 2020. Talvez fazer esse estelionato tenha sido o objetivo da Marvel. Apresentar no cinema conceitos que já são comuns nas HQS.

Em 10 anos, isso foi apresentado de forma bastante gradual. No início tudo era tecnológico. Até Thor foi apresentado erroneamente dessa maneira. Logo o universo cósmico entrou em cena e mostrou que há bem mais entre o céu e a Terra do que julga a nossa vã filosofia. Após isso foi o universo místico e logo tudo culminou no multiverso apresentado em Homem Formiga. Logo seremos apresentados às viagens no tempo e não duvido que muitos outros conceitos apareçam em breve.

Publicidade

Se Superman: O Filme nos provou que o seria possível um homem voar, o Universo Cinematográfico da Marvel nos provará que absolutamente tudo é possível. E essa é a graça do cinema.


Compartilhe!

Rafael TAB

Rafael tem 26 anos e mora no interior de São Paulo. Diagnosticado com transtorno bipolar é fissurado por cultura pop e nerd desde os 9 anos de idade quando foi apresentado ao sítio do Pica Pau Amarelo e logo depois ao fantástico mundo de Harry Potter. Hoje é um grande fã de O Senhor dos Anéis e Star Trek. Tem fascinação por áudio-visual, tecnologia e games.

Deixe uma resposta

Fechar Menu