Publicidade
Precisamos falar sobre James Gunn

Precisamos falar sobre James Gunn

Compartilhe!

Publicidade

Já passou da hora das pessoas entenderem que o humor que usa como escapatória pessoas e povos oprimidos não é humor. Isso se chama opressão, ou preconceito, ou qualquer outra palavra que queiram utilizar para esse tipo de crime. Há anos no Brasil, temos que conviver e combater humoristas como Danilo Gentilli que continua, anos após anos, utilizando o seu, entre aspas, “humor” para atacar minorias e defender o indefensável.

Raul Chequer e Leandro Ramos, do TV Quase, acabou rascunhando bem essa questão durante sua entrevista no finado programa Pânico que continua completamente parado nos anos 90.

“A gente Aprende um monte de merda ao longo da vida e às vezes é bom reaprender coisas novas”.

Acredito que essa frase de Chequer escancara uma questão na qual eu queria falar para chegar em James Gunn, o diretor e roteirista de um dos filmes com maior humor da Disney Marvel: Guardiões da Galáxia.

Pra quem está em um outro universo e não soube o que aconteceu, Gunn foi demitido pela Disney um pouco antes da San Diego Comic Con, após diversas tweets com piadas homofóbicas, racistas, machistas e outras questões escatológicas virem à tona. O detalhe é que, o mais novo desses tweets é de 2009. 9 anos atrás.

Eu não vou mentir. Eu gosto muito do humor de James Gunn e a capacidade dele de nos divertir com seus roteiros sem a necessidade de ser apelativo ou atacar minorias. Logicamente conheço o diretor apenas desde que Guardiões da Galáxia foi lançado, há pouco mais de 4 anos. Não conheço o Gunn de 2009 e, pelo teor dos tweets, fico feliz por não ter conhecido.

Publicidade

Hoje James Gunn é alguém que nos empolga com seu humor que abrange diversas idades, gêneros e etnias, acabando até por brincar com o machismo ao transformar o próprio machista em piada nas cenas que escreveu para Vingadores: Guerra Infinita. Ele também é um ferrenho crítico de Donald Trump e suas políticas que atacam e causam dor à boa parcela da população.

Após estourar a bomba, o diretor utilizou o Twitter para pedir desculpas. Foi sua última publicação no microblog. Por coincidência, a penúltima era uma crítica direta a Trump.

James Gunn era um idiota com ideias com precisavam ser combatidas em 2009, mas é evidente a sua transformação na última década. Todo o caso se torna ainda mais preocupante ao descobrirmos que quem trouxe a tona o passado de Gunn foi um grupo de apoio de Donald Trump que é liderado por Mike Cernovich, esse sim um sujeito deplorável e que merece ser combatido no presente momento.

Nossa luta é para mudar o mundo e as pessoas que vivem nele. Para isso precisamos e devemos reconhecer que pessoas podem mudar. O que nós eramos em 2009 não representa mais o que somos hoje.

Publicidade

Os principais atores de Guardiões da Galáxia escreveram uma carta defendendo Gunn e pedindo a sua recontratação. Segue abaixo o material assinado por Chris Pratt, Zoe Saldana, Dave Bautista, Karen Gillian, Bradley Cooper, Sean Gunn, Vin Diesel, Plom Klementieff e Michael Hooker:

“Para nossos fãs e amigos:

Nós apoiamos James Gunn totalmente. Todos ficamos chocados por sua abrupta demissão na semana passada e intencionalmente aguardamos estes 10 dias passarem para respondermos após pensarmos, rezarmos, ouvirmos e discutirmos. Neste período, fomos encorajados pelo grande apoio dos fãs e membros da mídia que desejam ver James ser reconduzido ao posto de diretor do Volume 3; e desencorajados por aqueles que foram facilmente levados a acreditar nas muitas absurdas teorias da conspiração que o cercam.

Fazer parte da franquia Guardiões da Galáxia tem sido uma grande honra em cada uma de nossas vidas. Não podemos deixar este momento passar sem expressar nosso amor, apoio e gratidão por James. Não estamos aqui para defender suas piadas feitas há muitos anos, mas para compartilhar nossa experiência tendo passado tantos anos no set fazendo Guardiões da Galáxia e Guardiões da Galáxia Vol. 2. O caráter que ele vem demonstrando desde sua demissão é consistentente em relação ao homem que ele era todos os dias no set, e acreditamos que seu pedido de desculpas, de agora e de anos atrás quando ele comentou as publicações inicialmente, é de coração, um coração que todos conhecemos, confiamos e amamos. Ele mudou nossas vidas para sempre ao selecionar cada um de nós para o ajudar a contar a história destes marginais que encontram redenção. Nós acreditamos que o tema da redenção nunca foi tão relevante quanto neste momento.

Cada um de nós espera trabalhar como nosso amigo James novamente no futuro. Sua história ainda não terminou – não mesmo.

Existem poucos processos corretos no tribunal da opinião pública. James não será a última boa pessoa a ser julgada. Levando em consideração a crescente polarização política em nosso país, é seguro dizer que casos assim continuarão a acontecer, ainda que esperemos que os estadunidenses de todo o espectro político possam diminuir o assassinato de caráter e parem de alimentar a mentalidade de linchamento.

Esperamos que o que aconteceu possa servir como exemplo para que todos nós percebamos a enorme responsabilidade que temos, para conosco e para com os outros, em relação ao uso que damos às palavras quando as marcamos nas pedras digitais; esperamos que nós, enquanto sociedade, possamos aprender a partir desta experiência e que, no futuro, possamos pensar duas vezes antes de decidir o que queremos expressar; e que o aprendizado possa alimentar nossa capacidade de curar e ajudar ao invés de machucar uns aos outros. Obrigado por ler nossas palavras.

Os Guardiões da Galáxia,”

(tradução do site Adoro Cinema)


Compartilhe!

Rafael TAB

Rafael tem 26 anos e mora no interior de São Paulo. Diagnosticado com transtorno bipolar é fissurado por cultura pop e nerd desde os 9 anos de idade quando foi apresentado ao sítio do Pica Pau Amarelo e logo depois ao fantástico mundo de Harry Potter. Hoje é um grande fã de O Senhor dos Anéis e Star Trek. Tem fascinação por áudio-visual, tecnologia e games.

Deixe uma resposta

Fechar Menu