Oro Orum – Axé Eu Respeito é um app para android que recebe denúncias de ataques contra religiões de matriz africana
Aplicativo visa proteger locais de cultos

Oro Orum – Axé Eu Respeito é um app para android que recebe denúncias de ataques contra religiões de matriz africana

Com o crescente número de ataques à terreiros e outros santuários onde são realizados rituais de religiões de matriz africana, medidas precisam serem tomadas. O preconceito contra tais religiões é algo histórico no Brasil e, com o crescente conservadorismo religioso, isso vem piorando e muito. Foi pensando nisso que Léo Akin Olakunde reuniu-se com alguns amigos para criar um aplicativo de denúncia e pedido de socorro por meio de um botão de SOS. O app está disponível gratuitamente para Android por meio da Play Store.

Segundo informações da agência Brasil:

A ideia, conta Léo Akin, partiu da utilização de outro aplicativo, o Nós por Nós, criado pelo Fórum de Juventudes do Rio de Janeiro, com objetivo de combater a violência policial. Em ambos, há orientações para fazer a denúncia com vídeos, fotos e texto, além de coletar todas as provas possíveis, registrar testemunhas e o máximo de dados sobre o agressor. “Precisamos de políticas públicas, mas também de segurança para as vítimas denunciarem”, disse.

Léo pretende ampliar a plataforma e gerar mapeamentos das casas de matriz afro se conseguir apoio de parceiros: ele precisa da doação de dois computadores. “O aplicativo foi feito com equipamento amador, mas de forma profissional. Com um notebook velho e a internet de uma conta emprestada de minha cunhada”, diz. A ferramenta foi programada por Alexsandro da Silva, amigo de Léo, ateu e morador de Pernambuco. “Precisamos de uma internet de melhor qualidade e monitores para trabalhar todas as funcionalidades. Estamos atrás de financiamento”, disse ele, que também contou com a ajuda da namorada, a escritora Taís Espírito Santo, para criar o aplicativo.

Porém, é óbvio que um aplicativo não resolve a situação e, por isso, religiosos, como o professor Ivanir dos Santos, pedem para que o Ministério Público intervenha e que os ataques sejam objetivos de investigação civil.

Rafael TAB

Rafael tem 26 anos e mora no interior de São Paulo. Diagnosticado com transtorno bipolar é fissurado por cultura pop e nerd desde os 9 anos de idade quando foi apresentado ao sítio do Pica Pau Amarelo e logo depois ao fantástico mundo de Harry Potter. Hoje é um grande fã de O Senhor dos Anéis e Star Trek. Tem fascinação por áudio-visual, tecnologia e games.
Fechar Menu