Estreia de filme sobre a luta das mulheres atingidas por barragens comove São Paulo
Filme mostra a história de luta de diversas mulheres

Estreia de filme sobre a luta das mulheres atingidas por barragens comove São Paulo

Compartilhe!

Publicidade

Não faltou emoção na Sala Aleijadinho do cinema Caixa Belas Artes. Nesta quinta-feira (19), com a sala lotada, o filme “Arpilleras: atingidas por barragens bordando a resistência” estreou no Caixa Belas Artes.

A sessão, que começou por volta das 20h, foi sucedida por depoimentos de integrantes do Coletivo de Mulheres do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), que dirigiu o filme. “Passar a nossa história no cinema é ocupar mais um latifúndio, que é esse campo da arte. Historicamente, os trabalhadores e as mulheres sempre estiveram em segundo plano. Nos desafiamos a produzir e filmar a nossa própria história”, afirmou Neudicléia Oliveira.

Já Liciane Andrioli, também do MAB, resgatou o trabalho das arpilleras dentro do movimento. “O filme é o resultado de mais de 100 oficinas com mulheres atingidas que foram realizadas desde 2013. As arpilleras se tornaram uma ferramenta fundamental na auto-organização e luta das atingidas”, explicou.

Presente no cinema, a vereadora Juliana Cardoso exaltou a importância do documentário. “Infelizmente nos livros e nos filmes a gente só vê uma parte da história, não a história real. Quando a gente vê um filme como esse, feito por um movimento social, que retrata a luta das mulheres para sobreviver e resgatar suas raízes é uma quebra desse modelo”. A vereadora ainda acrescentou que “o filme e a técnica das arpilleras podem servir de base para fazermos esse trabalho com as mulheres aqui, nas periferias de São Paulo”.

 

Publicidade

No mesmo sentido, a integrante do Grito dos Excluídos, Ana Valim, destacou o filme como exemplo para suscitar outras formas de resistência. “Fantástico. Emocionante. Um trabalho de fôlego do pessoal da comunicação e de vocês como um todo. Com certeza um legado que vai ficar para a história desse nosso país destroçado. Mas que também vai subsidiar outras lutas, outras histórias a serem construídas”.

Já o jornalista Vinícius Cabrera exaltou a união em torno da produção da obra. “Esse filme, que contém assinatura coletiva do Coletivo de Mulheres do MAB, mostra que essa história está muito longe de terminar, e que ainda tem muitos fios para tecer. Fica a noção de união entre as muitas pessoas que fizemos o filme acontecer, que se tornou um importante passo na resistência através da arte”.

Publicidade

O filme segue em cartaz no Caixa Belas Artes, com exibições diárias, às 18h20, na Sala 6 – Mário de Andrade. Os ingressos são vendidos pela internet e na bilheteria do cinema pelo valor de R$ 28,00 inteira e R$ 14,00 meia.

Com informações da comunicação do Movimento dos Atingidos por Barragens.


Compartilhe!

Rafael TAB

Rafael tem 26 anos e mora no interior de São Paulo. Diagnosticado com transtorno bipolar é fissurado por cultura pop e nerd desde os 9 anos de idade quando foi apresentado ao sítio do Pica Pau Amarelo e logo depois ao fantástico mundo de Harry Potter. Hoje é um grande fã de O Senhor dos Anéis e Star Trek. Tem fascinação por áudio-visual, tecnologia e games.

Deixe uma resposta

Fechar Menu